A PRAÇA

A Praça dá voz a redes, a organizações e a pessoas com ideias e iniciativa.  Valoriza as parcerias e os projectos que visam um desenvolvimento mais sustentável e mais solidário. Para além de site de notícias surge também como  portal de acesso a inúmeras redes, europeias, nacionais e locais.

Informação . ideias . Iniciativas jornalismo cidadão . redes e comunidades de prática. repórteres sociais . opinião

Reconhecimento, emoção e festa na homenagem a Oliveira Baptista no ISA

Oliveira Baptista criou uma dinâmica de escola em torno do seu pensamento e do seu modo de agir tão peculiar. Ou seja, fez escola. Há uma autêntica COMUNIDADE de influenciados e de seguidores que vão para além do ISA- Instituto Superior de Agronomia onde foi prestada uma homenagem sentida e recheada de surpresas. Houve discursos, testemunhos, música, apresentação do livro de homenagem e cante alentejano. No final um moscatel galego fez as honras do beberete que juntou em boa cavaqueira amigos, colegas,alunos e figuras públicas e do movimento associativo ligado ao desenvolvimento local e rural.

A obra e as características pessoais de Fernando Oliveira Baptista foram abordadas de forma rigorosa mas também muito afectiva e descontraída, O humor dos intervenientes fez jus ao reputado humor do homenageado que não deixou de trazer à conversa na sua intervenção final a prática do futebol numa idade que faz inveja a todo e qualquer desportista.

Ferando Rosas, Joaquim Pais de Brito, Maria João Canadas, João Lima Santos; Francisco Avillez, Orlando Rodrigus e muitos outros recordaram as referências teóricas centrais do professor catedrático (a transição rural; a economia de resistência, as novas categorias de análise, o rural de baixa densidade, etc) e histórias vividas logo a seguir ao 25 de Abril quando o homenageado exerceu o cargo de Ministro, para muitos o ministro da reforma agrária (única e curta, nas palavras de Fernando Rosas). Joaquim Pais de Brito o antropólogo rendido à economia e à sociologia rural depois do seu regresso de Paris depois do 25 de Abril, relatou cenas inesquecíveis que remeteram para “barrigadas de riso numa aldeia” a “sindicatos de contrabandistas a pedirem apoio para a respectiva formalização”.

Fernado Baptista por sua vez reafirmou que “não de seve simplificar o essencial”, a ética e os valores não podem ser ajustados a versões simplificadas e alertou para os posicionamentos desajustados daqueles que passam a vida a imaginar o futuro em vez de imaginarem os meios para o mudar!

Se há algo que foi confirmado nesta homenagem no belíssimo Pavilhão das Exposições do ISA foi a força e o valor científico e afectivo do conceito de COMUNIDADE.

Carlos Ribeiro, 30 de maio de 2018 – Ajuda/Isa

       

    

 

 

 

 

 

 

  

Please follow and like us:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *