A PRAÇA

A Praça dá voz a redes, a organizações e a pessoas com ideias e iniciativa.  Valoriza as parcerias e os projectos que visam um desenvolvimento mais sustentável e mais solidário. Para além de site de notícias surge também como  portal de acesso a inúmeras redes, europeias, nacionais e locais.

Informação . ideias . Iniciativas jornalismo cidadão . redes e comunidades de prática. repórteres sociais . opinião

Transição ecológica: não podemos ser (só) nós a fazê-la!

Como levar uma vida mais sustentável? Essa questão suscita muito debate sobre o que as pessoas podem fazer para combater as alterações climáticas. Em muitos casos, as respostas são dirigidas aos indivíduos, pedindo que eles adotem um comportamento mais responsável, como comprar localmente, isolar suas casas ou utilizar a bicicleta em vez do carro … “Mas essas respostas individuais levantam a questão de sua eficácia na mudança de comportamento que precisa ser sistémica “, explica Kris de Decker, da Low-Tech Magazine (@lowtechmagazine).


Comment mener une vie plus durable ? Cette question génère beaucoup de débats sur ce que les individus peuvent faire pour combattre le changement climatique. Bien souvent, les réponses adressent surtout les individus, leur demandant d’adopter des comportements plus responsables, comme d’acheter localement, d’isoler leurs maisons ou de prendre leur vélo plutôt que la voiture… « Mais ces réponses individuelles posent la question de leur efficacité face à un changement de comportement qui nécessite d’être systémique », explique Kris de Decker sur Low-Tech Magazine (@lowtechmagazine). Reste du texte en français

Por Hubert Guillaud | Transition écologique : nous ne pouvons pas (seulement) la faire nous-mêmes ! Transcrito e traduzido de IntenetActu.Net


Como levar uma vida mais sustentável? Essa questão suscita muito debate sobre o que as pessoas podem fazer para combater as alterações climáticas. Em muitos casos, as respostas são dirigidas aos indivíduos, pedindo que eles adotem um comportamento mais responsável, como comprar localmente, isolar suas casas ou utilizar a bicicleta em vez do carro … “Mas essas respostas individuais levantam a questão de sua eficácia na mudança de comportamento que precisa ser sistémica “, explica Kris de Decker, da Low-Tech Magazine (@lowtechmagazine).

Existem três tipos de políticas públicas para combater as alterações climáticas: políticas de descarbonização (incentivo a fontes renováveis de energia, carros elétricos, etc.), eficiência energética (melhoria da relação de energia de eletrodomésticos, veículos, edifícios …) e mudança de comportamento (promoção de comportamentos mais sustentáveis). Os dois primeiros visam tornar os padrões de consumo existentes menos intensivos em recursos, mas muitas vezes confiando apenas na inovação técnica, eles esquecem o apoio social, o que explica por que eles não levaram a uma diminuição no consumo. emissões significativas de CO ou demanda de energia. O progresso na eficiência energética não tem em conta novos padrões de consumo e o efeito de relançamento. Da mesma forma, o desenvolvimento de energias renováveis não levou à descarbonização da infraestrutura energética, porque a procura de energia está a aumentar mais rapidamente do que o desenvolvimento de fontes de energia renováveis. Para Kris de Decker, isso reforça a necessidade de se concentrar mais na mudança social. Se quisermos que políticas eficazes de eficiência energética e descarbonização sejam efetivas, elas devem ser combinadas com a inovação social: daí a importância de políticas de mudança de comportamento!

Conflito entre visões

Apesar dos instrumentos de mudança de comportamento serem numerosos, todos eles são principalmente ou cenouras ou bastões, quando não são principalmente sermões. Mas esses instrumentos (incentivos económicos, normas e regulamentos, informação …) são baseados numa visão dos indivíduos como seres racionais: as pessoas assumiriam um comportamento pró-ambiental por razões de interesse próprio (porque é bom ou poupa dinheiro) ou por razões normativas. Mas muitas ações geram um conflito entre essas duas visões: o comportamento pró-ambiental é frequentemente considerado menos lucrativo, menos agradável ou mais longo, daí às vezes uma dissonãncia entre o que as pessoas pensam e o que as pessoas realmente fazem. Para responder a isso, podemos reduzir o custo de ações pró-ambientais ou aumentar o custo de ações prejudiciais ao planeta. Ou aumentar a dose dos comportamentos normativos.

Presos a estilos de vida

Verificamos que os resultados dessas políticas de mudança de comportamento, até agora, têm sido bastante limitados e decepcionantes. O problema, escreve Kris de Decker, é que essas políticas de mudança de comportamento baseiam-se no na constatação das pessoas fazerem o que fazem essencialmente por uma questão de escolha individual. Mas o fato de a maioria das pessoas comer carne, guiar viaturas ou estar conectado à rede elétrica não é apenas uma questão de escolha: as pessoas estão realmente presas a estilos de vida insustentáveis. O que fazem está condicionado, facilitado e limitado por normas sociais, políticas públicas, infra-estruturas, tecnologias, mercado, cultura … Como indivíduo, podemos, por exemplo, comprar uma bicicleta, mas não podemos desenvolver a infra-estrutura como as pistas cicláveis.. Se os dinamarqueses ou holandeses usam a bicicleta mais do que os outros, não é tanto por eles serem mais conscientes ambientalmente do que outros, é porque eles têm uma excelente infra-estrutura ciclável, porque é socialmente aceitável andar de bicicleta e porque os automobilistas são muito respeitosos das bicicletas, especialmente desde que o consutor de uma viatura é sempre considerado responsável em caso de acidente, mesmo que seja o ciclista que tenha cometido um erro. Sem essa infra-estrutura de suporte, podemos constatar que é mais difícil conseguir que um grande número de pessoas ande de bicicleta. Da mesma forma, os particulares não têm a possibilidade para modificar a velocidade da rede Internet ou de reduzir o fluxo energético com origem na central de que depende. “Se os indivíduos podem fazer escolhas pró-ambientais individuais com base em seus valores e atitudes, e inspirar os outros … eles não têm oportunidade de agir em estruturas que facilitem ou limitem suas opções.” As políticas comportamentais remetem os indivíduos para o nível da responsabilidade individual e para processos de culpabilização, exonerando as responsabilidades políticas e económicas das instituições.

Por Hubert Guillaud | Transition écologique : nous ne pouvons pas (seulement) la faire nous-mêmes ! Transcrito e traduzido de IntenetActu.Net

 

 

Please follow and like us:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *