Seg. Set 28th, 2020

jornalismo cidadão

Rede de Repórteres sociais

O condutor de caminetes

3 min read

@ Praça das Redes | 23 de julho 2020 | Histórias de Navegadores Confinados | Bravo Nico – S. Miguel de Machede | Évora

Há muito que as caminetes daquelas terras transportam artistas. Verdadeiros artistas sociais, como oportunamente Etienne Wenger e Beverly Trainer denominaram os agentes de desenvolvimento que, nos territórios, colocam a partilha, as redes e a cooperação no centro da sua ação. Mas em S. Miguel de Machede ainda há mais. Aqui a educação popular e comunitária é uma arte na qual todos participam, dos mais jovens aos de idade mais avançada. Por isso a caminete, gira, gira, sem parar.

A ESCOLA FOI A CASA | por Bravo Nico

Com o desenvolvimento da pandemia, de um momento para o outro, a Escola Comunitária de São Miguel de Machede teve que suspender a sua atividade presencial e, com isso, os nossos estudantes (quase todas senhoras) ficaram confinadas em suas casas e impedidas de continuarem a manter ativas as suas redes de socialização, tão importantes num contexto rural de baixa densidade como é o nosso território.

De um dia para o outro, a nossa Escola Comunitária, que tinha atividades educativas diárias, ficou encerrada, durante cerca de um mês, com as nossas colaboradoras e o grupo de voluntários em regime de trabalho a distância.

Escola Comunitária em Casa

No entanto, com todos estes constrangimentos, pensámos em como poderíamos contrariar a tendência instalada e pensámos em criar uma nova dinâmica. Criou-se a Escola Comunitária em Casa.

Em pouco mais de quinze dias, criámos um conjunto de atividades que tentaram colocar, no domicílio de cada um dos nossos estudantes, um ambiente estimulante de aprendizagem que mantivesse uma dinâmica de aprendizagem e permitisse a interação possível entre todos os participantes.

Jornais e desafios

Em primeiro lugar, começámos a produzir edições semanais do nosso jornal comunitário «O Menino da Bica», com entregas no domicílio, todas as quintas-feiras. As notícias foram sempre sobre o que ia acontecendo na nossa terra e sobre a situação sanitária. Depois, criámos uma rede social local, através da entrega, semanal, de atividades educativas em casa de cada participante, no âmbito das quais se encontrava a oportunidade de cada pessoa propor atividades a um/a colega. Esse desafio era entregue na semana seguinte na casa do colega e vice-versa. Desta forma, cada participante foi construindo um portefólio de atividades e um repositório de contactos e interações com os seus colegas. Tudo isto mediado por jovens voluntários que se organizaram e percorreram, semanalmente, as ruas da nossa freguesia.

Caminete do Artista Micaelense

Finalmente e para que as nossas Festas do Verão não ficassem, esquecidas, uma vez que não se podem realizar, criámos a «Caminete do Artista Micaelense», projeto que proporcionou a oportunidade de os jovens artistas da nossa terra organizarem um pequeno espetáculo ambulante que, em Julho, percorreu as ruas da nossa vila e que voltará ao terreno, em Setembro. As pessoas assistiram ao concerto, das suas janelas e portas ou sentadas ao fresco, na rua ou na praça.

Agora, vêm as férias do Verão, em Agosto. Depois, em Setembro/Outubro, logo veremos o que será a nossa vida, no pressuposto de que a Escola Comunitária seguirá o seu caminho.

Please follow and like us:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Copyright © All rights reserved. | Newsphere by AF themes.
error

Enjoy this blog? Please spread the word :)