8 de Março, 2021

jornalismo cidadão

Rede de Repórteres sociais

JÚRI PARA QUE TE QUERO | Não deitar a criança fora com a água do banho

2 min read

PRAÇA DAS REDES | 12 de fevereiro 2021 | Comunidade de Prática EPALE – INFONET

Se tivermos em conta que o JÚRI DE CERTIFICAÇÃO se situa num terreno de profunda ambiguidade, quanto à sua função e natureza, porque surge como desfecho de todo um processo dominado pela lógica da validação, então teremos que domar os seus impulsos avaliativos e retemperar a sua dinâmica para o lado da ratificação, da homologação, da consagração.

Direito à experiência

A relação entre competências identificadas, porque demonstradas na ação, e um Referencial, seja qual for a fase do processo RVCC, é sempre de VALIDAÇÃO e nunca de avaliação. Injetar avaliação nos adquiridos pelo adulto participante é interferir na sua autonomia e no seu “direito à experiência” para desenvolver, de forma contextualizadas, competências específicas.

Reafirmamos então que o processo RVCC tem por centro da sua dinâmica a validação e que o essencial da operação radica nas ações preparatórias e facilitadoras de auto-organização por parte do adulto participante para que seja possível, a um dado momento, relacionar Competências Identificadas (porque desenvolvidas em experiências anteriores) com um Referencial de Competências pré-definido.

A validação, ponto de encontro central deste processo, é suficiente e adequada para a consistência do próprio sistema.

Mas…

Acontece que as ações de “revisitar experiências passadas” e “descodificar o conteúdo do Referencial, para o poder relacionar com competências específicas” surgem simultaneamente como processos de aprendizagem por parte dos adultos em presença – o candidato a uma certificação e o técnico facilitador (que são vários) -. A questão da auto-avaliação das aprendizagens realizadas nesta dinâmica colaborativa coloca-se porque ela fica sempre numa zona oculta e não é contabilizada pelos seus protagonistas. Ela pode ser “afirmada” como tendo existido, mas não é tornada nem visível e nem qualitativamente útil.

Como poderia ser encarada esta tarefa de auto-avaliação ou de avaliação cruzada entre adultos, numa dinâmica focada na Validação das Competências?

Carlos Ribeiro, 12 de fevereiro Caixa de Mitos | Epale-Infonet

Please follow and like us:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Copyright © All rights reserved. | Newsphere by AF themes.
error

Enjoy this blog? Please spread the word :)